Carnaval


Pisou devagar na linha

Desafiou a vista

Brincou de costurar

Desanuviou os cruzamentos do vestido

Gasto com o tempo e com os delírios

Brincou de se reinventar

Criando novas fantasias em roupas velhas

 

 

 

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

vivo pra morrer de saudade
e todas as noites parecem pardas
quase incendiárias
com seus ocres e mel
escorridos pelas paredes das calçadas

Adoçam o céu
invertem as incertezas
desnuda vulcões
e trazem as erupções para dentro
do outro lado

Quase sempre a mesma calçada
na beira dessa casa em que ninguém se muda

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Te amo enquanto espero o ônibus de manhã

E depois do café que escorre na panela

Devagar

Te amo enquanto corro a tarde para voltar

E depois de um sonho

Desesperadamente

Te amo dentro do mar

E fora dele

Por dentro

E nas extremidades

Calmamente

Te amo enquanto enfrento as filas mais longas

E depois de esquecer de pagar as contas pequenas

Distraidamente

Te amo enquanto sonho

E depois que acordo

E os passarinhos brincam de existir

Te amo até quando não sei quem sou direito

E quando os dias doem e parecem mais frios

E também depois de quentes…

E quando a gente se entrega ao mar

Ao nosso…

Como uma oferenda …

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Poema 55. Quinta poesía vertical


Roberto Juarroz

Un amor más allá del amor
por encima del rito del vínculo,
más allá del juego siniestro
de la soledad y la compañía.
Un amor que no necesite regreso,
pero tampoco partida.
Un amor no sometido
a los fogonazos de ir y de volver,
de estar despiertos o dormidos,
de llamar o callar.
Un amor para estar juntos
o para no estarlo,
pero también para todas las posiciones intermedias.
Un amor como abrir los ojos.
Y quizás también como cerrarlos.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Tremor

Talvez fosse cedo demais

Para não dizer nada

E o silêncio azul claro

Daquela cidade

Não afastava nem um segundo

O terremoto

Era tarde

Muito noite

Distraída saudade

Liquidificada no vazio

Das eletricidades invisíveis

Acendendo as pequenas lâmpadas

De dentro

Quarenta velas

Pouco calor

Manta de brisa

Quase nuvem

Neblina emprestada

Das ruas

De dias atrás

De anos

Até de séculos

Desfeitos num só pedaço

De tempo

Explodindo 

Tudo.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Nossas peles

Profundas

Sagrado lugar de abrigar arrepios

Mãos

Línguas

Coragens

Caixinha de surpresas e frios

Movimento

Transporte para outros planos

Absinto

Sensação única de água pura

Claridade, infinito, realinhamento.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Depois das Nove

Depois das nove

Tudo é realejo

Anti realidade

Teu beijo

 

Depois das nove

As cores todas gritam

E giram silentes como um amuleto

 

Depois das nove

Existem sirenes

Sininhos

Coisas amenas

Desaparecem

 

Depois das nove

Ele chega

E enlouquecido

Meu pensamento se perde

Feito loucura em noite de sol

Delírio, vertigem, firmamento.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário